Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Os 3 pilares do compliance para o trade global

 

Publicado em 11/06/2021



* Por Gustavo Montes


Historicamente, o compliance em trade global tem sido endereçado entre preenchimentos de dados distintos, feitos por uma parte da legislação específica, via transportadoras que satisfaçam requerimentos de segurança regional; ou por meio de uma abordagem baseada em rede, para armazenar dados onde o preenchimento regional é coletado antes de ser transmitido. Enquanto essas abordagens se mantiverem defasadas, nenhuma delas satisfará as futuras demandas de compliance em trade global. 

A harmonização dos requisitos de informações eletrônicas avançadas de mercadorias em toda entrada, saída e embarcações de trânsito são críticas, pois garantem o movimento seguro de bens ao redor do mundo. A disparidade entre mandatos definidos por países ao redor do mundo e entre as partes interessadas, nas competências de infraestrutura da cadeia de suprimentos global, é extremamente desafiadora para a troca de informação pontual e acurada numa base global. Dessa forma, os três pilares que atualmente definem compliance em trade global incluem: 

  • Segurança avançada em nível governamental, analisando partes das mercadorias antes de serem destinadas para qualquer país recebedor; 
  • Intercâmbio de dados de parceiros de trade para facilitar a segurança avançada de mercadorias; 
  • Necessidade de transparência de processos na coleta de evidências eletronicamente automatizadas, demonstrando as atividades ocorridas da produção à entrega. 

 

Organizações que fornecem uma gama de potencialidades e serviços, incluindo segurança de importação, rastreamento de partes negadas, declarações de importação e exportação, mensagem de status, fiscalização e relatórios permitem que os parceiros de trade: 

Centralizem monitoramento - um dashboard consolidado que a mão-de-obra global possa usar para garantir que os preenchimentos de segurança tenham sido feitos com sucesso. Isso promove uma visão única para os requisitos e regulações globais, fazendo com que o compliance seja mais fácil, eliminando a necessidade de logar em múltiplos sistemas, reduzindo erros e riscos. 

Convertem dados para reduzir trabalho - Datar, importar e exportar dados manualmente por meio de múltiplos processos leva a erros, lentidão e riscos. Reutilizar dados para exportar e importar declarações elimina discrepâncias e garante que sejam consistentes. 

Reduzam o custo de preenchimento - Consolidar o preenchimento global reduz custos transacionais, mantendo a escalabilidade para novos mandatos de países, conforme surjam.

Organizações devem procurar uma solução de preenchimento global que forneça transparência no processo de preenchimento e que possa integrar fluxo de dados por meio de sua rede, independente de localização geográfica e meio de transporte. 

 


Gustavo Montes é vice-presidente Sales & Customer Support Latam da Descartes
 

Quer se manter atualizado em logística e supply chain?
Clique aqui e saiba mais!

 

Veja também: