Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Os desafios da inovação em logística no Brasil

 

Publicado em 18/03/2020

*Por Stefan Rehm

Pensar a logística em um país continental e tão diverso quanto o Brasil será sempre extremamente desafiador! Estamos falando de um assunto bastante amplo que envolve necessidades e barreiras geográficas, investimento público e questões tradicionais e estruturais de um país. Para se ter uma ideia, os custos logísticos do país comprometem mais de 12% do PIB e, segundo o Fórum Econômico Mundial, o Brasil ocupa a 65ª posição em relação a infraestrutura de transportes, em uma análise com 137 países.

A meu ver, dois grandes problemas são os principais causadores dos gargalos do mercado: dependência do modal rodoviário e insegurança. Falando do primeiro caso, a Confederação Nacional dos Transportes (CNT) entende que esse modal corresponde a 60% de todo o trânsito de mercadorias no país. Apenas o tamanho, quantidade e qualidade das estradas brasileiras já representa um desafio que envolve custos altos na logística comercial desde o cálculo do frete até o monitoramento de entregas e veículos selecionados para a operação.

Se somarmos a dependência rodoviária à má qualidade e à falta de segurança nas estradas brasileiras, temos um transporte rodoviário bastante vulnerável e inseguro. Em 2018, por exemplo, o setor produtivo registrou um prejuízo de 2 bilhões de reais por conta de roubos e extravios de carga, segundo informações da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística (NTC).

Dentro desse contexto, estão as logtechs, startups que surgiram para ajudar a resolver esses problemas. E como elas podem melhorar a segurança do transporte e ainda diminuir os custos da logística comercial no país? A resposta para isso é simples: otimização!

A criação de sistemas e soluções que usem tecnologias que facilitem todo o processo de logística, desde o cálculo de fretes até o monitoramento de entregas, pode ser uma das maneiras de resolver a questão. Segundo relatório da PWC, a digitalização de processos logísticos poderá reduzir custos extras de logística e transporte em 47% até 2030. Isso porque pode ajudar a evitar diversos entraves comuns neste trâmite, bem como atrasos, roubos e informações equivocadas.

Atualmente, existem Softwares de Gestão de Frotas, ou seja, sistemas que permitem o monitoramento dos veículos, avaliação da situação e gastos da frota como controle de combustível, gestão de documentos, sinistros e controle de viagens; além de sistemas ERP e WMS que permitem facilitar a comunicação em todos os processos de logística, e gerenciamento de armazenagem no segundo caso, entre outras soluções que podem otimizar esse setor e que hoje estão disponíveis graças às Logtechs. 

Outra tecnologia bastante útil se trata do Transportation Management System (TMS) ou Sistemas de Gestão de Transporte, software que monitora as operações de transporte em tempo real por GPS. Por meio destes sistemas, é possível rastrear encomendas, realizar o cálculo de fretes, emitir relatório de desenvolvimento, dentre outras coisas. Segundo um report citado pela Liga Ventures em seu mapeamento de Logtechs, os investimentos em soluções desse tipo devem atingir os 3,6 bilhões de dólares até 2024, o que indica um crescimento médio de quase 15%.

Em resumo, o setor logístico tem um grande gargalo em diversas frentes, por isso, as Logtechs têm um papel essencial no fornecimento de soluções que conectam toda a cadeia de entrega, nos levando a um novo patamar, onde o processo seja menos custoso e muito mais seguro! Sem dúvida, uma logística inteligente potencializa todo o mercado brasileiro.


*Stefan Rehm é CEO e fundador da Intelipost, empresa líder no segmento de tecnologia para gestão de transportes que integra, de maneira inteligente, e-commerces varejistas, indústrias e transportadoras.

Quer se manter atualizado em logística e supply chain?
Clique aqui e saiba mais!

 

Veja também: