Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

20 motivos para a empresa optar por ter uma Torre de Controle e Gestão 4.0

 

Publicado em 09/06/2021

Nunca foi tão fácil ter controle e visibilidade total da cadeia logística, prevenir gargalos, operar no custo mais enxuto possível e, com isso, fidelizar mais clientes.

Ironicamente, entretanto, você pode pensar: só se for para outras empresas, porque por aqui as coisas não estão indo tão bem assim não.

E se eu te dissesse que para chegar nesse nível de gestão não é preciso ser mágico, nem ser um desses gestores que lemos a respeito nos livros (que até parecem mágicos) que fazem história triplicando receita, organizando processos e melhorado o clima da organização?

Acho que agora tenho sua atenção.

Eu gosto do Emanuel — Emanuel James ou, Jim Rohn como a maioria o conhece. Ele disse o seguinte:

 

Você pode derrubar uma árvore com um martelo, mas levará cerca de 30 dias. Se trocar o martelo por um machado, você poderá derrubá-la em cerca de 30 minutos. A diferença entre 30 dias e 30 minutos é a habilidade.

 

O homem era um gênio.

Eu fiquei inclinado à substituir a palavra habilidade por ferramenta. Confesso que quando citei a frase em outro texto até sugeri isso, mas, depois de pensar sob o ponto de vista de Jim, conclui que talvez o que ele chamou de habilidade tenha sido exatamente a inteligência de trocar martelo por machado.

Ou seja, a habilidade de ser infinitamente mais eficiente em seu trabalho está intimamente ligada a escolha das ferramentas que você decide utilizar.

Nesse artigo vou te dar 20 motivos que vão te provar que a Torre de Controle e Gestão 4.0 é a ferramenta que sua empresa precisa para embarcar de vez na revolução 4.0.

Aperte os cintos!

 

O que é, e a que se dedica uma Torre de Controle 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Hub de informação, Central de Operações e Controle, Control Tower, Torre de Controle, Central de Integração, de inovação ou de inteligência.

Esse são muitos dos nomes atribuídos à uma torre de controle e gestão logística.

Para cravar o conceito, vou sintetizar em poucas palavras o que é uma torre de controle e gestão 4.0:

 

Central de inteligência que integra tecnologias, métodos, processos e pessoas, fazendo uso dos conceitos da Logística 4.0 para aumentar a eficiência da cadeia produtiva e reduzir seus custos.

 

O verdadeiro estado da arte da gestão moderna.

Tenho costume de dizer que sem uma torre de controle a maiorias dos gestores dirigem um carro olhando pelo retrovisor.

Ou seja, olham para ontem (quando não para semanas atrás) e realizam autópsias operacionais para tomarem decisão.

O que na era da revolução 4.0 é algo incabível. Afinal, nunca tivemos tanta tecnologia, inteligência de processos e dados à disposição.

Concorda?

Então, se encontrar na lista pelo menos três motivos, não pense duas vezes para aderir a torre de controle.

Antes de ir a lista uma informação importante: a torre de controle é um conceito importado da aviação. Nesse sentido, é papel dela garantir que o plano de voo, aquilo que foi planejado, aconteça na prática.

Como ela faz isso?

Que bom que perguntou.

Acredito que os 20 motivos vão te mostrar como!

 

20 motivos para sua empresa implementar uma Torre de Controle e Gestão 4.0

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

1. Visibildade: a torre garante visibilidade total da cadeia de suprimentos, desde o planejamento até a entrega final do produto. Lembrando que torre de controle e gestão 4.0 não é torre de transporte, é também, mas não só.

 

2. Previsibilidade: a partir de gestão do plano (base zero), roteirização e monitoramento em tempo real, a torre previne gargalos que podem ocorrer como: rupturas, perdas de agenda, janelas e outras intempéries, muito antes de acontecerem.

 

3. Controle e inputs: a torre controla a operação: estoque, carregamentos, movimentações, paradas não programadas, descargas, agendas... Paralelo a isso, trata os ofensores da operação em real time oferecendo inputs de um lugar privilegiado, pois, enxerga todos os elos ao mesmo tempo.

 

4. Segurança: a torre de controle pode também ser aplicada como torre de safety e security, mas, mesmo como torre de controle e performance logística ela garante que os procedimentos sejam respeitados e seguidos, funcionando também como uma central de segurança de pessoas e de dados operacionais.

 

5. Gestão: considerando que gestão é a soma de gerenciamento de processos + liderança de pessoas, a torre de controle apoia o gestor na melhor execução da operação com dados e visibilidade para a tomada de decisão. Liberando tempo para que esse se dedique a liderança do time direto e influência dos clientes.

 

6. Tomada de decisão por números: o pai da qualidade, William Edwards Deming, disse que: “Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, e não há sucesso no que não se gerencia”. A torre garante que às decisões não sejam mais tomadas por feeling, mas pautadas em dados e fatos.

 

7. Eficiência: quero separar aqui eficiência de produtividade. Ser eficiente é atingir os objetivos empregando menos recursos, sejam eles tempo, capital, mão-de-obra, combustível, energia etc. Nesse sentido a torre tem um braço importante que trabalha não apenas tempos e movimentos, mas, especialmente a eficiência gerada por uma operação mais eficaz. Em suma, redução de ativos e insumos.

 

8. Produtividade: já ser produtivo é fazer mais com menos, planejar-se bem e executar todas as suas tarefas dentro do mesmo período, ou seja, cumprir o plano. E isso a torre faz com maestria.

 

9. Marketing: a logística é o mais novo marketing. É claro que você está atento a corrida (especialmente na Last Mile) por entregas mais rápidas, com qualidade e no custo. Uma torre de controle garante que a logística do seu negócio fidelize cada vez mais clientes e cause repetição da venda.

 

10. Eliminação dos desperdícios: em tempos de competição acirrada a pressão por redução dos custos faz com que gestores desavisados saiam cortando custos, a "qualquer custo". Esse é um erro primário. Antes de cortar custos (pessoas, estruturas, ativos) é preciso eliminar todos os desperdícios (tempo improdutivos, movimentações desnecessárias, processos ineficientes). Nem preciso dizer que a torre é a ferramenta para isso não é?!


11. Redução dos custos: a torre de controle depois de eliminar todos os desperdícios, aumenta a eficiência e produtividade operacional. O que consequentemente, sem muito stress, reduz todos os custos.


12. Linearidade: especialmente nos processos pares da logística (cargas e descargas) a linearização é fundamental para o correto dimensionamento de estruturas (pessoas e ativos em fábricas, clientes e CDS). De igual modo, a linearização de estoque de insumos, a linearização e previsibilidade para setup industrial é também vital para controle e custos. A torre oferta diretamente todas esse apoio.


13. Padronização: como um dos três pilares mais importantes de uma torre são os processos, a torre padroniza toda a operação e garante que tudo seja e esteja mapeado, escrito e padronizado.


14. Saída da bolha 3.0: a maioria das empresas tem tudo que caracterizou a revolução 3.0: computadores e internet. E, quando se tem isso, mas, não estão organizados, automatizados, integrados e dando a visibilidade e controle esperado, significa que essa empresa está na bolha 3.0. Uma torre de controle bem estruturada transporta o negócio diretamente até o momento 4.0.


15. Melhoria contínua dos processos: ferramentas ágeis são um grande diferencial em uma torre de controle. A torre roda PDCA's contínuos a todo momento buscando maneiras de melhorar ainda mais os processos. Ou seja, a filosofia: "hoje melhor que ontem, amanhã melhor que o hoje", faz parte do DNA operacional de uma torre de controle.

16. Credibilidade com os clientes: fazer logística bem-feita custa caro, fazê-la malfeita custa clientes. Chega de ser surpreendido por ligações de seus clientes ou do comercial reclamando da ineficiência de sua logística. A torre, com sua expertise e controle poderá prevenir, informar e tratar os ofensores muito antes do cliente ter ciência.


17. Reputação para novas aquisições: é muito comum uma torre de controle e todo seu mindset transformador deixar uma empresa mais atrativa para venda ou IPO. Ou mesmo, com poder de aumentar sua participação de mercado, fazendo inclusive novas aquisições.


18. Alinhamento de metas: como é papel da torre garantir que o plano de voo; o planejamento, aconteça na prática, ela confere que todos os stakeholders estejam na mesma página e sejam medidos pelo mesmo KPI. Sigam a mesma cartilha.


19. Apoio na gestão dos fornecedores: aquela discussão sem fim sobre os SLA's e entregáveis dos fornecedores terminam com a torre. A ferramenta garante que os dados estejam disponíveis para todos, apoiando diretamente na gestão, negociações e/ou substituição de fornecedores.


20. Apoio na mudança para mindset ágil: não basta adotar apenas ferramentas ágeis e de melhoria contínua. O mindset ágil é uma filosofia que tem que estar impregnada na operação. E isso não acontece do dia para a noite. A torre com suas reuniões de resultado e no dia a dia com teu trabalho processual, ajuda os colaboradores a compreender na prática os ganhos dessa adoção.

 

Viu só?! Eu falei que não precisava ser mágico para ter controle e visibilidade total da cadeia logística, prevenir gargalos, operar no custo mais enxuto possível e, com isso, fidelizar mais clientes.
É como disse Emanuel: "derrubar uma árvore em 30 dias ou 30 minutos só depende da escolha da ferramenta certa".


 

Achiles Rodrigues

Por Achiles Rodrigues

Possui mais de 16 anos de atuação em logística, transportes, processos e pessoas. É professor de liderança e criatividade e um entusiasta do mundo digital. É graduado em administração de empresas, Teologia e pós-graduado em MBA Logística e Supply Chain.

Quer se manter atualizado em logística e supply chain?
Clique aqui e saiba mais!

 

Veja também: