Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Se sua logística não está sendo guiada por dados, ela não está sendo guiada

 

Publicado em 14/01/2021

 

Antes de concordar ou discordar do que você leu no título, responda com sinceridade as perguntas abaixo e prove que estou errado:

  • _ Quantos pedidos foram atendidos por dia no último mês? Sabe o percentual atendido completo e o percentual atendido no prazo acordado (OTIF)?
  • _ Consulte rapidamente em seu celular ou relatório gerencial: qual foi a ruptura de estoque? Produtividade do armazém? Eficiência do picking? Produtividade média dos caminhões?
  • _ Tem aí no gatilho a distância percorrida da frota, volume transferido ou entregue, tamanho da entrega por veículo (drop size)? Conhece o índice de No show?

Vou tentar facilitar:

  • _ A conta frete do último mês, quanto foi? Qual a acuracidade com o que foi planejado? Quanto gastou com frete spot (extra)?
  • _ Conhece esses números por dia, semana, quinzena, região? Existe uma sazonalidade crítica dentro do mês?

Se você não respondeu a essas perguntas simples do dia a dia da logística, mesmo que fazendo uma consulta rápida em seus relatórios ou sistemas, sua logística não é guiada por dados e corre um sério risco de não estar sendo guiada, mas levada pela “sorte”.

 

Os dados são o novo petróleo

Data is the new oil

 

A famosa frase proferida pelo matemático londrino, Clive Humby: 'data is the new oil', ou em tradução livreOs dados são o novo petróleo, agitou o mundo dos negócios e tornou-se um mantra na boca de executivos, especialmente os entusiastas da Big Data.

Uma verdade que carrega um problema prático.

Assim como encontrar petróleo, ter dados a disposição não gera riqueza por si só.

Explico.

Um campo de petróleo só gerará riqueza depois de explorar, extrair óleo bruto e cuidar de toda logística envolvida.

Com dados não é diferente.

Eles são de fato o novo petróleo, porém, uma empresa que gera um grande banco de dados, mas, não sabe como extrair, minerar, tratar, aprimorar e transformar esses dados em informações úteis para a tomada de decisão, não gera riqueza alguma.

E no mundo moderno, ou você guia teu planejamento, decisões e recursos através de dados, ou sua operação logística estará fadada ao fracasso.

Para guiar sua empresa e operação logística será preciso não só gerar dados, mas, aprender a Minerar esses Dados transformando-os em riqueza.

 

O que é mineração de dados?

Mineração de Dados ou Data Mining, é o processo responsável por transformar grandes quantidades de dados brutos em insights.

No mundo da informação é o que permite empresas como Google e Facebook através dos seus super algoritmos determinarem desejos e expectativas prevendo nossos comportamentos.

 

Para que serve o Data Mining

Para localizar padrões, conexões, anomalias ou correlações.

O processo de Data Mining permite encontrar problemas, hipóteses e oportunidades capazes de suportar a liderança na tomada de decisão, bem como apoiar o planejamento a curto, médio e longo prazo.

 

Transformando dados em ouro

Números são “burros” por si só. É preciso transformá-los em informações simples para que qualquer pessoa em contato com eles entenda o que querem dizer, de onde estão vindo, e melhor, para onde deveriam estar indo.

Só assim é possível transformar dados em ouro…

 

Como aplicá-lo à logística

Cada item produzido, embarcado em um veículo para um CD, estocado em um armazém, faturado para um cliente, carregado em um caminhão para a entrega; o desempenho do caminhão em trânsito, a descarga no cliente e o feedback desse cliente; gera um histórico de informações.

São dados valiosos sobre o comportamento da cadeia.

Ao minerar esses dados é possível entender onde estão as perdas, prever gargalos e antecipar oportunidades.

Com esses dados é possível decidir se, deve-se melhorar as vendas em uma região específica. Renegociar, ou mesmo deixar de atender uma região ou cliente que vem dando prejuízo. Onde fazer os investimentos ou se o custo do produto está em consonância com a estratégia o posicionamento do negócio.

 

Como cascatear para a operação

Criar mecanismos de gestão à vista com quadros ou televisões onde as metas os indicadores estejam disponíveis em tempo real  é um caminho interessante.

Contudo, sem reuniões rápidas de bom dia no início cada turno, onde se discute os números, metas e desafios; os colaboradores podem olhar todos os dias para esse painel e não entenderem nada.

Esses podem se tornar parte da paisagem. E se tornam na maioria dos lugares.

Outra medida bastante efetiva e utilizar as ferramentas de mensagem rápidas e instantâneas como WhatsApp e Telegram para dividir e discutir KPI’s e relatórios gerenciais em grupos com esse foco.

 

Quais os indicadores mais importantes

Copiar os indicadores que uma empresa xis utiliza para medir seu desempenho nem sempre é o melhor caminho. Naturalmente, se tratando de logística, existem aqueles que são comuns a todos, no entanto, é preciso customizar.

Customizar não só quais indicadores, mas principalmente os percentuais a serem perseguidos em cada um deles. É vital que exista uma meta SMART: S (específica), M (mensurável), A (atingível), R (relevante) e T (temporal).

Entendido esses princípios, no próximo artigo, quero trazer os indicadores mais importantes que devem fazer parte da logística.

***

Dados são de fato o novo petróleo, quanto a isso não existe divergências. Mas, saber minerá-los transformando-os em informações práticas, simples e inteligentes é onde está a verdadeira criação de riqueza.

E aí, na sua empresa, como vocês tem guiado o negócio?

 

Achiles Rodrigues

Por Achiles Rodrigues

Possui mais de 16 anos de atuação em logística, transportes, processos e pessoas. É professor de liderança e criatividade e um entusiasta do mundo digital. É graduado em administração de empresas, Teologia e pós-graduado em MBA Logística e Supply Chain.

Quer se manter atualizado em logística e supply chain?
Clique aqui e saiba mais!

 

Veja também: