Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Amazon inicia venda direta no Brasil e abala o comércio eletrônico; logística é o nome do jogo

 

Publicado em 22/01/2019

 
A AMAZON iniciou hoje (22/01) a venda de 11 categorias de produtos, incluindo 4 inéditas no país: brinquedos, bebês, beleza e cuidados pessoais. A expansão coloca a varejista em outro patamar no mercado nacional, e pode ser considerada uma ameaça a nomes consolidados, como B2W e Magazine Luiza.
 
Compras no site da Amazon terão FRETE ZERO acima de R$ 149 em todo o Brasil. Há também opções de entrega rápida. 
 
O frete grátis é uma estratégia de chegada e não deve permanecer por muito tempo, pois afeta as margens do negócio. A mudança é possível a partir da abertura do novo Centro de Distribuição da companhia, localizado em Cajamar, na Grande São Paulo. 
 
A ação agressiva da AMAZON derrubou ações na Bolsa. A Luiza caiu 4,13% nesta segunda-feira; a B2W, 3,26%; a Via Varejo, 1,64%. A expansão da AMAZON deve ampliar a concorrência do comércio eletrônico no país, com benefícios aos consumidores.
 
AMAZON é a empresa mais valiosa do mundo, com U$ 810 bilhões.
 
Os gargalos logísticos do Brasil apontam que o país não está pronto para a batalha global do e-commerce: O serviço de Correios brasileiro é um desastre e, a Alfândega, idem. Há muito a fazer em infraestrutura de estradas, ferrovias, aeroportos, e principalmente no âmbito da caótica segurança pública. Custos de distribuição aumentam exponencialmente com escoltas, seguros e gerenciamento de risco das entregas.
 
A especialidade da Amazon, o que a fez se destacar dentre as outras e se tornar uma das cinco gigantes mundiais da tecnologia, é justamente LOGÍSTICA. A capacidade de receber um pedido e entrega-lo até no dia seguinte. Às vezes, no mesmo dia. O desafio brasileiro é gigante, e a Amazon também. Será uma jornada fantástica.
 
 
Luís Eduardo Ribeiro

Por Luís Eduardo Ribeiro

É Gerente Regional de Operações da Martin Brower, líder global em soluções logísticas de ponta a ponta para redes de restaurantes. Ao longo da carreira, liderou a supply chain de empresas como DHL, Carrefour, Ponto Frio, bioMérieux etc. Em 2016, planejou e executou a logística de alimentos para as Olimpíadas RIO-2016. Recebeu Moção de Reconhecimento da Assembleia Legislativa do RJ pelos serviços prestados como Administrador de Empresas. Foi eleito Profissional de Logística do Ano pela Revista MundoLogística.

Quer se manter atualizado em logística e supply chain?
Clique aqui e saiba mais!

 

Veja também: