Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Desemprego na Logística: A culpa não é sua!

 

Publicado em 05/12/2018

Acabo de ler no Wall Street Journal: As contratações no setor de logística contribuíram com 10% do crescimento de empregos nos EUA em outubro. Foram 24.800 novas vagas preenchidas só neste mês. Agora, o setor de armazéns e transportes recorre a militares veteranos, porque não há mão de obra para suprir as vagas. A lacuna de motoristas de caminhão chega a 600.000 posições pendentes de preenchimento. É o pleno emprego.
 
Já no Brasil... A crise econômica que levou à eliminação de milhões de postos de trabalho no Brasil e à retração de investimentos continua mantendo umenorme contingente de trabalhadores desempregados. O aumento moderado da confiança empresarial após o fim das eleições ainda não foi suficiente para gerar emprego.
 
Se o momento atual do mercado de trabalho brasileiro fosse resumido em uma palavra, esta seria "crítico". E diria também que "não está bom para ninguém". Hoje mesmo o IBGE informou que em 1 ano, aumentou em quase 2 milhões o número de brasileiros em situação de pobreza. Este número úmero passou de 52,8 milhões em 2016 para 54,8 milhões em 2017, um crescimento de quase 4%. Já pobreza extrema aumentou 13%, passando a atingir 15,3 milhões. Temos 4,7 milhões de desalentados. Estas pessoas simplesmente desistiram ou não têm condições de procurar emprego. E 13 milhões de sesempregados. A pobreza atinge 30% dos brasileiros e isso é uma calamidade, devendo ser a maior prioridade em políticas públicas.
 
Que fique claro e não custa repetir: a pior crise econômica que este país já viveu é a maior responsável pelo desemprego, e o desemprego não desmerece em nada a sua qualidade profissional, tampouco apaga a sua trajetória, os resultados que você já atingiu. Pense nos seus sucessos alcançados quando você achar que não é bom o suficiente.
 
Por outro lado, existe um dever de casa a fazer: buscar a melhoria, repensar seu propósito, "reinventar-se" saindo da mentalidade de emprego tradicional- a forma de trabalhar está mudando, e isso é irreversível.
 
A tecnologia e a automação trarão desafios cada vez maiores. O Clube da Supply Chain acredita que o novo profissional da cadeia logística precisa ter visão geral de negócios, ser analítico e estar capacitado nas chamadas habilidades "STEM"- Ciências (Science), Tecnologia, Engenharia e Matemática. Ele precisa ter um networking de qualidade, uma comunidade onde se sinta bem comunidade e que gere um ciclo virtuoso de aprendizagem e networking.
 
Tudo passa! Você é competente e ainda fará a diferença para o mundo da supply chain.
 
 
Luís Eduardo Ribeiro

Por Luís Eduardo Ribeiro

É Gerente Regional de Operações da Martin Brower, líder global em soluções logísticas de ponta a ponta para redes de restaurantes. Ao longo da carreira, liderou a supply chain de empresas como DHL, Carrefour, Ponto Frio, bioMérieux etc. Em 2016, planejou e executou a logística de alimentos para as Olimpíadas RIO-2016. Recebeu Moção de Reconhecimento da Assembleia Legislativa do RJ pelos serviços prestados como Administrador de Empresas. Foi eleito Profissional de Logística do Ano pela Revista MundoLogística.

Quer se manter atualizado em logística e supply chain?
Clique aqui e saiba mais!

 

Veja também: