Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

A Torre de Operações pode mitigar riscos e sinistros no transporte?

 

Publicado em 30/04/2021


Uso de algoritmos, base de dados, sinergia com pontos conectados e acionamento de providências quando o risco é comprovado fazem da torre um centro de inteligência


 
O caminho coerente para reduzir a probabilidade de sinistros durante o transporte de cargas é implantar uma gestão de riscos flexível e proativa. Para contribuir com a segurança das transportadoras, a Pamcary materializou essa ideia e desenvolveu a Torre de Operações, um centro de inteligência com central de dados e tecnologia aprimorada para controlar e atuar sobre riscos logísticos, prevendo qualquer tipo de ameaça durante as viagens e antecipando ações de neutralização.
 
Caso algum sinistro aconteça, a Torre coordena o atendimento no local da ocorrência e se empenha na redução das perdas e impactos resultantes. De acordo com Darcio Centoducato, diretor de gestão de riscos da Pamcary, o elemento-chave para esse tipo inovador de gestão é a inteligência de riscos, fator de elevada complexidade que vai muito além de um trivial gerenciamento, controle ou rastreamento de cargas. 

 

“Trata-se de uma gestão que se ajusta em função das mutações de diversas fontes de ameaças.”


 
A Torre é capaz de antecipar os riscos de uma viagem, antes mesmo dela começar. 

 

“Isso é possível graças à extensa e atualizada base de dados de sinistros e o uso de algoritmos para a previsão de ameaças da viagem. O processo de cooperação e sinergia de esforços com centrais conectadas à Torre e o acionamento isento e criterioso de recursos de campo para situações de risco comprovado, otimizam custos de serviços de gerenciamento de riscos.”


 
Ainda segundo Centoducato, a inteligência oferecida pela Torre da Pamcary é completamente diferente de serviços prestados por centrais de monitoramento. 

 

“Enquanto uma central acompanha viagens através de veículos equipados com rastreadores, a Torre de Operações classifica e monitora os níveis de alertas de risco das mais de 500 mil viagens mensais gerenciadas pela Pamcary, independentemente da existência de tecnologia embarcada.” 


 
Apoiada em tecnologia de ponta, em uma ampla e dinâmica base de dados de sinistros e inteligência artificial para a previsão das probabilidades de roubos, acidentes e avarias, a Torre da Pamcary tem a capacidade de atuar proativamente no risco, antecipando-se às ameaças durante uma viagem. E na hipótese de uma ameaça real, tomar uma decisão imediata e precisa para a sua neutralização.

 

Veja também: