Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Blockchain na cadeia logística será adotada pelo Exército brasileiro

 

Publicado em 23/03/2020

Tecnologia passa a controlar e rastrear produtos, da competência do Exército, em todo o país

 

O Exército brasileiro irá usar a tecnologia blockchain para rastrear produtos controlados no âmbito do Sistema Nacional de Rastreamento de Produtos Controlados pelo Exército (SisNaR), estabelecido pelo comandante logístico da instituição.

O SisNaR tem a função de acompanhar e rastrear os Produtos Controlados pelo Exército (PCE) em todo o território nacional. Trata-se de um conjunto de recursos e ações que permitem o monitoramento dos PCEs durante seu ciclo de vida. Além disso, permite ainda rastrear a origem destes produtos.
A tecnologia blockchain será integrada a esta cadeia logística e o ‘módulo blockchain’ deverá ser implementado com o objetivo de registrar as movimentações da cadeia, conforme consta na publicação do Diário Oficial da União (DOU), com a seguinte redação:

“Módulo de blockchain – módulo responsável por registrar todas as movimentações da cadeia de produção e movimentações do produto em uma rede privada de blockchain, possibilitando a garantia da autenticidade e da integridade das informações”, diz a publicação.

Os usuários deste módulo serão pessoas, físicas ou jurídicas, registradas no Comando do Exército dentro da cadeia de PCE. Todos que atuam com esses produtos controlados deverão usar a tecnologia para registrar as movimentações. O objetivo é garantir a autenticidade e integridade das informações.

Segundo a publicação no DOU, o SisNar é composto pelo módulo de Coleta e Registro de Dados e pelo módulo Integrador e de Gestão, armazena dados de PCE fabricados, importados, exportados e comercializados. A responsabilidade pela gestão dos dados do SisNar é da Diretoria de Fiscalização de Produtos Controlados.

Cada um dos produtos incluídos no sistema deverá ter uma Identificação Única de Produto (IUP), composta por uma série de caracteres alfanuméricos. Esse registro permitirá a identificação “individualizada, exclusiva e inequívoca da menor unidade de PCE”. Para o caso de produtos físicos o IUP será identificado por meio de um QR Code.

 

Veja também: