Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Empresas se unem em prol de cadeia logística 100% sustentável

 

Publicado em 13/08/2021

Com o MOVAH Group, Manlog, WingsLog, Manlog LOC, Amppli e Fresh querem movimentar atitudes para além do transporte de cargas com o objetivo de preservar o meio ambiente

|
Foto: Divulgação Manlog Transportes

Entregar mercadorias com tecnologia, segurança e agilidade com foco na preservação ambiental. Esse é o objetivo do MOVAH Group, uma associação entre Manlog, WingsLog, Manlog LOC, Amppli e Fresh para reverter, ao máximo, os impactos das ações humanas causadas ao meio ambiente.

Segundo recente relatório publicado pela ONU, as emissões de carbono já elevaram a temperatura média global em 1,1°C. Essa temperatura pode ultrapassar os 1,5 graus Celsius nos próximos 20 anos.

Com mais de 40 veículos elétricos, entre veículos logísticos, carros para transporte de colaboradores, e projetos voltados para garantir a autossuficiência energética de toda a frota até 2025, a Manlog e a WingsLog, juntas, já compensaram cerca de 70 toneladas de CO2. A expectativa é de neutralizar mais de 500 toneladas até o final de 2021.

Segundo Thiago Suzin, CEO da MOVAH, a emissão tem tudo para compensar.

“Juntando nossa frota elétrica, mais os veículos a Diesel que passam por teste rotineiro de opacidade – monitorado pelo Programa DESPOLUIR - e a reserva florestal de 1 milhão de M² que temos no sul do país, já alcançamos números expressivos. Mas a nossa meta é compensar e positivar a conta.” – Thiago Suzin, CEO da MOVAH.

Recentemente certificado com a ISO 14001, o grupo consolida parcerias com órgãos e profissionais especialistas em ESG (Environmental, social and corporate governance) para garantir uma atuação sustentável em todos os âmbitos do projeto.

”A Manlog puxou a fila dos 100% elétricos. Fomos os primeiros do centro-oeste a rodar com a frota seca e frigorificada. E o nosso plano de negócios já possui metas claras para neutralizar toda a nossa emissão, por meio de outras fontes energéticas, até 2025.” – Alexandre Alla, CFO da MOVAH.

 

Veja também: