Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Estudo de startup identifica comportamentos de risco ao volante

 

Publicado em 12/02/2021

Ao monitorar os comportamentos que causam acidentes nas estradas, plataforma permite que ações preventivas de redução sejam tomadas

 

Dividir a atenção ao volante com o celular, manter a mão fora do volante, interagir com objetos e não usar o cinto de segurança. Esses são os mais graves e frequentes desvios cometidos pelos motoristas de caminhão nas estradas que cortam o país, de acordo com pesquisa feita pela Onisys, startup mineira criadora da solução, que por meio de vídeo monitoramento, identifica o comportamento dos profissionais ao volante. 
No levantamento, feito com análises colhidas em oito meses, foram identificados mais de 90 mil desvios cometidos por motoristas de caminhão. Foram avaliadas mais de 100 mil horas de viagem de mais de seis mil motoristas, mensalmente.


“A pesquisa é resultado do serviço que prestamos, decidimos mostrar os dados ao maior número de pessoas porque a segurança no trânsito é um assunto de primeira ordem no Brasil. Precisamos engajar motoristas e diminuir o número de acidentes.” - Leonardo Campos, CEO do Onisys.

 

Dados do Ministério Público do Trabalho revelam que 90% dos acidentes fatais com caminhoneiros acontecem devido à falha humana. E o objetivo da plataforma é atuar no ato inseguro, para que se tenha uma redução no risco de novos acidentes.

Ao monitorar o comportamento dos motoristas enquanto dirigem, a startup espera reduzir este número de acidentes por meio da prevenção, já com a identificação dos desvios, as empresas de transporte tomam ciência sobre o que podem melhorar no engajamento dos profissionais, promovendo treinamentos e acompanhamentos individualizados, que possam garantir ainda mais a segurança dos motoristas nas estradas.

De acordo com dados da Confederação Nacional do Transporte (CNT), o Brasil registra 14 mortes por dia nas rodovias federais. A cada ano, são mais de 50 mil acidentes com vítimas. Os caminhões estão longe de ser protagonistas dos acidentes – representam 20% dos veículos envolvidos em desastres –, mas trazem riscos de mortes e ferimentos devido às características e ao porte desse tipo de veículo.

 

Comportamentos de risco ao volante

Dirigir com apenas uma das mãos ao volante — um dos desvios detectados pela pesquisa entre os caminhoneiros — de acordo com o inciso V do artigo 252 do Código de Trânsito Brasileiro, é considerado uma infração, exceto se for necessário utilizar uma das mãos para fazer sinais regulamentados, trocar a marcha ou ligar algum equipamento do veículo. No entanto, muitos motoristas de caminhão mantêm o hábito de dirigir falando ao celular, com cigarro na mão, ou ainda comendo e bebendo enquanto tentam controlar a direção do veículo. Com os dados do Onisys é possível conhecer os hábitos inseguros dos motoristas e atuar de maneira preventiva na redução de acidentes.

Confira a seguir os números da pesquisa:

  • 116.166 horas avaliadas
  • 90.008 desvios encontrados
  • 6.271 motoristas monitorados, mensalmente, entre abril e dezembro de 2020


Tipos de desvios mais frequentes:

• Mão na marcha
• Mão apoiada, fora do volante
• Interação com objetos, como alimentos, celulares, entre outros
• Distrações
• Objetos soltos na cabine
• Postura incorreta de direção
• Carona indevida
• Não utilização de cinto de segurança


Distribuição de gênero dos motoristas avaliados:

  • Feminino – 0,6%
  • Masculino – 99,4%

 

Distribuição de idade geral:

  • 20 a 29 – 2%
  • 30 a 39 – 27%
  • 40 a 49 – 43%
  • 50 a 59 – 23%
  • 60+ - 4%

 

Desvios críticos mais frequentes:

  • Interações com objetos (celular, alimentos, entre outros)  – 75%
  • Deixar objetos soltos na cabine – 23%
  • Não utilização de cinto de segurança – 1,5%
  • Carona não permitida – 0,5%


Lista de objetos de maior interação dos motoristas:

Bebidas gerais, alimento, celular, óculos, papéis, cigarro, panos, máscaras. 
Em 70% das horas avaliadas, os motoristas não cometem nenhum desvio. Porém, em 12% das horas avaliadas, acontecem pelo menos um desvio crítico.

 

 

Artigo(s) publicado(s) na revista e relacionado(s)


 

Gerenciamento de risco em transporte. Custo ou investimento?
Como a tecnologia contribui para mitigar riscos e prejuízos

 

 

Veja também: