Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Fintech Target cria o primeiro banco digital do setor logístico

 

Publicado em 29/11/2021

Além de serviços financeiros, Target Bank reúne funcionalidades específicas necessárias para as atividades de frete; segundo CEO, objetivo é integrar soluções financeiras e ferramentas de gestão


Foto: Aline Massuca

A Target Meio de Pagamentos, uma das quatro maiores empresas de pagamento de frete e Vale Pedágio Obrigatório, anunciou na semana passada a transformação em Target Bank para se consolidar como o primeiro banco digital específico para o caminhoneiro. Com a estratégia, a Target Bank é capaz de interligar todos os estabelecimentos envolvidos no ecossistema logístico.

Segundo a fintech, o objetivo é ser reconhecida como a única companhia que consegue integrar soluções financeiras importantes para o setor – como antecipação de recebíveis, empréstimo pessoal sem necessidade de garantias, investimentos e seguros – com as ferramentas de gestão, como emissão de documentos obrigatórios (Ciot e, futuramente, o DT-e) e pagamentos eletrônicos homologados pela Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT), exigências legais necessárias para as operações de frete.

“Nosso DNA é tecnologia e transporte”, afirma William Rego, um dos fundadores da empresa. Além de ser filho de caminhoneiro, Rego foi diretor de tecnologia da Target por quase dez anos, antes de assumir o cargo de CEO.

“Banco Digital tem um monte por aí. O que a gente faz é muito mais do que isso e a mudança da marca era necessária para comunicar esse crescimento do Target Bank. Para que uma operação de transporte de cargas seja iniciada, é preciso emitir os Pagamentos de Frete e Vale Pedágio em uma empresa homologada na ANTT. Além disso, muitas vezes o caminhoneiro leva de 30 a 90 dias para receber pelo serviço, mas tem altos custos para realizar o serviço. No Target Bank, ele consegue resolver tanto as exigências legais, quanto obter capital de giro e, assim, ampliar sua capacidade de atuação.” – William Rego, CEO da Target.

O executivo destaca que a fintech mapeou todos os entraves financeiros e burocráticos que permeiam as operações logísticas e criou uma tecnologia totalmente inovadora para solucionar esses problemas e ajudar a fomentar o setor. “Das empresas contratantes de frete, passando pelos motoristas de caminhão, até os postos de combustível e lojas de conveniência nas estradas, oferecemos soluções para que esses personagens possam operar com mais agilidade, eficiência e com fluxo de caixa.”

Por ser uma empresa que emite a documentação necessária para o pagamento dos serviços, o Target Bank consegue atuar com taxas menores em antecipação dos recebíveis, uma vez que já identificam quando e quanto as transportadoras ou caminhoneiros vão receber – ou seja, a garantia do crédito. Até setembro, a fintech já havia emprestado e quitado mais de R$ 20 milhões, com taxa zero de inadimplência.

A expectativa é que, com a mudança para Target Bank e as ações de marketing em torno do rebranding, o volume de crédito passe de R$ 30 milhões já no próximo mês.

 

Veja também: