Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Grupo NK adota rastreabilidade com padrão GS1

 

Publicado em 12/09/2014

Varejista investe na automação de processos, oferece um alimento seguro e melhora a gestão dos produtos em projeto que integra toda a cadeia de abastecimento

Grupo NK, varejista do segmento hortifrutigranjeiro, adotou a rastreabilidade para controlar datas de validade de produtos, devido à grande quantidade de itens, ao abastecimento diário e à intensa movimentação dos alimentos na área de vendas feita pelos funcionários e consumidores. O varejista optou pelo código de barras no padrão GS1, para melhorar o controle da movimentação dos produtos em suas sete lojas de hortifruti do Estado de São Paulo.

A Associação Brasileira de Automação (GS1 Brasil) orientou a empresa a investir em tecnologia e na codificação de produtos, por meio de uma solução completa de rastreabilidade, em parceria com a PariPassu, desenvolvedora de ferramentas que favorecem a rastreabilidade e a colaboração entre os participantes envolvidos. Outras empresas envolvidas no projeto são a HappyBiz, responsável pelo sistema de gestão empresarial (ERP) do Grupo NK, e a Cattena Food Change, prestadora de serviços e soluções no segmento de alimentação.

A iniciativa de implantar a solução começou há dois anos com o projeto de rastreabilidade e de melhoria de gestão das datas de validade do tomate Sweet Grape, um dos produtos comercializados pelo grupo. “Escolhemos esse produto porque o produtor aderiu à solução para conseguirmos controlar a cadeia de abastecimento do começo ao fim”, explica Julio Tadeu Aoki, sócio do Grupo NK.

Em 2013, o Grupo NK movimentou 585 toneladas do tomate, produto bastante sensível à ação do tempo e manuseio. A empresa varejista, fundada em 1983, em São Bernardo do Campo, São Paulo, possui também uma base na Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), onde compra seus produtos e depois distribui para as suas sete unidades. A empresa trabalha em conjunto com 18 produtores integrados, que estão localizados em São Paulo e Minas Gerais.

A tecnologia
O GS1-128 é o tipo de código de barras específico para a área de logística e rastreabilidade. Ele pode conter informações, como número serial, lote, data de validade, quantidade e número do pedido, dados importantes para um eficiente processo logístico.

De acordo com a assessora de Soluções de Negócios da GS1 Brasil, Flávia Costa, o GS1-128 tem o papel de garantir maior eficiência logística e rastreabilidade ao processo da NK. “A motivação para o uso do padrão GS1 é assegurar que as informações para a rastreabilidade possam chegar até o varejo de forma eficiente e sem risco. A identificação permite assegurar o controle do produto a cada etapa da cadeia produtiva. Esse é o diferencial do projeto: incluir toda a informação de rastreabilidade no GS1-128 e fazer o recebimento e o embarque por meio desse código.”

Para o diretor de Operações da PariPassu, André Donadel, o sistema de rastreabilidade proporciona um acompanhamento da cadeia como um todo, medindo o desempenho do produtor, packing house e varejo para apoiar a tomada de decisão. “Além disso, permite a gestão de risco em relação à segurança do alimento, por meio de uma plataforma de recall.”

Já a HappyBiz desenvolveu um módulo no ERP para fazer a gestão do Sweet Grape. “Com todo o processo de lote criado e com a respectiva data de colheita, conseguimos as datas de embalagem e validade dos produtos, identificando as informações por meio das etiquetas GS1-128 e do arquivo XML da nota fiscal eletrônica”, destaca o diretor de Tecnologia da HappyBiz, Francesco Conventi.

Resultados
O projeto possibilitou um ganho significativo de qualidade para o Grupo NK, pois, ao compartilhar com os produtores rurais as eventuais falhas da mercadoria, eles podem corrigi-las rapidamente.

“Esse tipo de processo ajuda o produtor a diminuir as perdas e fornecer um produto com o padrão de qualidade esperado. Esse é o impacto da sustentabilidade: produzir mais com o mesmo recurso e ainda gerar menos perdas na cadeia produtiva”, comenta o CEO da Cattena Food Change, Thomas Eckschimidt.

Nos estabelecimentos do Grupo NK, a gestão melhorou consideravelmente com o GS1-128, que automatiza os processos e dispensa a digitação. O maior ganho obtido com a rastreabilidade e a codificação foi a segurança do alimento. “Se identificarmos alguma falha na produção ou no peso do produto, por exemplo, rapidamente conseguimos fazer um recall e resolver o problema”, ressalta Aoki, sócio do Grupo NK.

No site www.gruponk.com.br, o consumidor tem acesso às informações do tomate desde a origem. “Hoje, as pessoas estão mais atentas à questão da rastreabilidade, tanto em relação a produtos in natura, quanto aos industrializados. Quem não se preocupar com isso ficará fora do mercado no futuro”, acredita Aoki. Com essa experiência bem-sucedida, o Grupo NK projeta o uso do GS1-128 para melhorar a gestão de outros itens.

 

Veja também: