Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Logistica do Futuro - Virtual

Plataforma dinâmica é solução disruptiva para armazenagem e fulfillment

 

Publicado em 02/07/2020

Flexsas conecta armazéns logísticos com capacidade ociosa a embarcadores e vendedores de e-commerce, otimizando a armazenagem e fulfillment

 

Mais do que nunca, o cenário coloca a prova a dinamização do mercado de armazenagem e fulfillment no Brasil. Nesse sentido, conectando armazéns logísticos regionais que atuam com capacidade ociosa a clientes que precisam dinamizar suas operações de armazenagem e fulfillment, destaca-se a Flexsas, que faz tudo isso oferecendo um molde flexível, escalável e sob demanda.

A plataforma marketplace baseia-se no conceito de Dynamic Warehousing, que já se mostra bem solidificado na América do Norte e Europa, promovendo maior agilidade, flexibilidade e escalabilidade à cadeia de suprimentos de diversos segmentos de negócios.

A solução, pioneira no Brasil, tem operado desde meados de 2018, o que envolve fases de validação, especificação e piloto da plataforma com alguns clientes que atuam nos canais B2B e B2C.
Por meio da Flexsas, os embarcadores conseguem contratar serviços logísticos com velocidade e no molde on demand, isto é, permite que o serviço seja pago somente pelo uso, em um viés de custo variável.

Já para os vendedores de e-commerce, a Flexsas viabiliza uma malha qualificada de centros de distribuição especializados em operações de fulfillment, permitindo que os produtos sejam pulverizados e localizados mais próximos das praças de consumo, viabilizando entregas mais rápidas e baratas de encomendas até o consumidor final.
Além do matchmaking entre ofertante e demandante, a Flexsas interconecta a sua base de parceiros logísticos à sua plataforma tecnológica, permitindo gestão acurada das operações em um dashboard consolidado com todos os operadores contratados, além de realizar a gestão do contrato entre as partes ofertante e demandante, se estabelecendo como o ponto único de contato em atividades como suporte de primeiro nível, pagamento dos serviços e padronização do modelo de operação.

Atualmente a Flexsas conta com mais de 100 armazéns logísticos homologados em sua plataforma, esses, por sua vez, se enquadram a desde armazéns gerais especializados em produtos específicos tal como carga seca industrializada, até produtos mais frágeis e de baixo shelf life, além de armazéns especializados em operações de fulfillment, permitindo todo o ciclo de preparação e entrega de encomendas, de maneira dinâmica.
Em seu portfólio de clientes a Flexsas já conta com empresas de grande porte utilizando os serviços de armazenagem dinâmica bem como varejistas virtuais que agora podem focar nos negócios e obter excelência nas operações de fulfillment, sem ficarem dependentes de marketplaces como Mercado Livre e Amazon para esse tipo de operação.

 

Armazenagem tradicional vs armazenagem dinâmica

Tradicionalmente, os contratos de embarcadores com operadores logísticos funcionam no formato “take or pay”, isto é, os embarcadores contratam serviços logísticos por longo prazo e com grandes volumetrias para a viabilização da operação onde, independentemente da taxa de utilização da capacidade contratada, deve-se remunerar o operador pelo valor total do contrato.
Isso acaba gerando um alto custo fixo aos embarcadores que apesar de trabalharem com uma demanda linear em sua cadeia de suprimentos, possuem, em muitos casos, variabilidade de demanda em algumas épocas do ano, o que os obriga a contratar capacidade adicional de armazenagem e serviços agregados devido a eventos de sazonalidade, entre outras demandas inesperadas.
Em contrapartida, soluções inovadoras de armazenagem dinâmica viabilizam por meio da democratização de armazéns logísticos regionais que trabalham com capacidade ociosa, a contratação de serviços logísticos no molde “pay per use”, que permite aos embarcadores contratarem serviços pelo prazo e volumetria que realmente necessitam.

 

A ascensão do e-commerce e as operações fulfillment

Segundo a Nielsen, o valor de transações de pedidos de e-commerce no Brasil atingiu 62 bilhões de reais em 2019, um aumento de 17% se comparado com 2018. Além disso, a pandemia causada pelo Coronavírus acabou alavancando ainda mais esse setor que já cresceu mais de 26% no primeiro trimestre de 2020 frente ao mesmo período de 2019, somando mais de 20 bilhões de reais e aproximadamente 50 milhões de pedidos transacionados.

Na linha do otimismo associado ao comércio eletrônico, os consumidores têm esperado cada vez mais agilidade e sofisticação em suas jornadas de consumo, o que envolve opções como diferentes modelos de entrega e retirada de produtos, fretes grátis, entregas mais rápidas e acompanhamento em tempo real do ciclo dos pedidos. Nesse sentido, de acordo com a Moosend, em uma pesquisa feita a nível global, cerca de 60% dos abandonos de carrinhos do e-commerce se devem aos altos custos inerentes aos fretes das encomendas.

Em paralelo, para que as entregas de encomendas sejam mais rápidas e tenham preços proporcionalmente mais baixos, não somente os diferentes modais e variedade de transportadores seriam suficientes, mas também a localização dos estoques dos produtos comercializados. Sendo assim, a utilização de uma rede de armazenagem e fulfillment localizada estrategicamente, é fundamental para permitir entregas de 1 dia (next day delivery) a 2 dias (two day delivery) ou até mesmo entregas de última milha (last mile) em até algumas poucas horas após a realização do pedido pelo consumidor.

 

Veja também: