Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Saiba como doar o IR devido ao governo para ajudar hospitais na pandemia

 

Publicado em 31/03/2021

Até 30 de abril, pessoas físicas podem doar até 3% do imposto para manter trabalhos como o do Hospital Pequeno Príncipe

 

O tema não é sobre logística ou supply chain, mas é de grande importância e interesse de todos, independente da área.
Trata-se da campanha para doação via Imposto de Renda (IR) para hospitais que estão com dificuldade para manter os atendimentos neste momento de pandemia, por exemplo, o Pequeno Príncipe, maior hospital pediátrico do Brasil, com sede em Curitiba (PR).


Importante lembrar que na doação via IR o valor sequer sai (diretamente do bolso) do doador.

A campanha se estende até o dia 30 de abril (fim do prazo para declaração do IR).

 

Quem pode doar via IR

Todas as pessoas físicas que fazem declaração do IR, via formulário completo, podem destinar até 3% do imposto, a pagar ou a restituir.

 

Como doar

Para o contribuinte, na prática, a doação via renúncia fiscal não oferece despesa alguma. Isso porque, no caso de quem tem imposto a pagar, o valor doado é descontado da quantia devida à Receita Federal.

No caso de quem tem IR a restituir, o valor doado é somado à restituição, corrigido pela Taxa Selic. Mas mesmo com condições favoráveis, apenas 2,05% do potencial de doação é alcançado todos os anos. Isso significa que mais de R$ 7,5 bilhões deixam de impactar o cenário da saúde no país.

 

“O processo é simples e permite ao doador acompanhar como o recurso é utilizado. E, para nós, as doações pelo Imposto de Renda são de fundamental importância.” - Ety Cristina Forte Carneiro, diretora-executiva do Hospital Pequeno Príncipe.

 


Para onde vão as doações

Segundo a diretora, no Pequeno Príncipe, as doações se traduzem nos investimentos em pesquisas, em tecnologia, na capacitação de profissionais e no suporte de pacientes oriundos de todo o Brasil que são atendidos pelo Sistema Único de Saúde.

 

Crise sanitária

Referência nacional em procedimentos de média e alta complexidade em 32 especialidades, o Pequeno Príncipe, há 15 anos, usa a modalidade de restituição fiscal como uma de suas principais fontes de recursos. A instituição tem vários projetos aprovados no Fundo para Infância e Adolescência. Todos são monitorados pelos Conselhos de Direitos e pelo Tribunal de Contas, que acompanham a utilização de recursos e fiscalizam a prestação de contas.

Com 378 leitos, sendo 68 em UTIs, o Pequeno Príncipe destina 70% da sua capacidade para o Sistema Único de Saúde (SUS), seguindo a diretriz de oferecer tratamento integral e humanizado, independentemente se são pacientes provenientes do sistema público ou de convênios.

Em 2020, o cancelamento de procedimentos eletivos e a diminuição na taxa de ocupação de leitos e na procura pelo atendimento nas emergências provocaram uma queda nos recursos do Pequeno Príncipe. Já as despesas aumentaram, principalmente por conta da necessidade de investimento em equipamentos de proteção individual – o crescimento na compra desses materiais chegou a 400%, sendo que a alta no preço de alguns itens superou 1.000%.

Ainda assim, procedimentos de alta complexidade foram mantidos e 247 transplantes foram realizados – 61 de medula óssea. Além disso, o Pequeno Príncipe retomou em 2020 o serviço de transplante de fígado. Foram 15 cirurgias feitas no ano passado, priorizando crianças de até 10 anos. Além, de outras 12.233 cirurgias e 12.510 internações.

 

“Contamos com a sensibilidade do contribuinte, que além de cumprir a sua obrigação com o governo federal tem a oportunidade de ajudar a viabilizar as nossas atividades de assistência e pesquisa.”


Serviço

Pessoas físicas podem entrar em contato, para fazer sua doação de Imposto de Renda, pelo e-mail doepequenoprincipe@hpp.org.br ou pelos telefones (41) 21013-3886 e (41) 99962-4461.

 

 

Veja também: