Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Tecnologia e decisões assertivas: as chaves para vencer a crise do Coronavírus

 

Publicado em 30/03/2020

“Em meio a crise, companhias precisam gerar um plano de estratégia e agir rapidamente”, diz Antonio Wrobleski, CEO da Pathfind

 

A pauta quase que exclusiva, no Brasil e no mundo, é o novo coronavírus. Muito se tem falado sobre os efeitos e os desdobramentos na saúde da população e na economia do país. Exemplos de fora não faltam, mas os resultados obtidos são absolutamente discrepantes. Por um lado, Itália, Espanha e Estados Unidos têm tido enormes dificuldades para deter a curva de contágio da doença; por outro, a Coreia do Sul emerge como referência no combate à Covid-19.

Para o CEO da Pathfind, Antonio Wrobleski, o sucesso da Coreia na contenção do vírus tem motivo claro: foi criado um sistema logístico assertivo para conter a doença, com tecnologia de ponta e ações rápidas. Uma combinação de fatores que, aliás, toda empresa que quiser sair da crise precisará aplicar também.

 

"Foi por meio do big data e das análises dessas amplas bases de dados em tempo real que o país conseguiu prever os movimentos do vírus, se antecipar a eles e minimizar os impactos."

 


O que as empresas estão fazendo e o que elas precisam fazer

O Brasil demorou a reconhecer a dimensão do problema e já enfrenta fortes impactos financeiros na primeira semana da quarentena. Muitas empresas estão apreensivas e, caso não ajam de forma assertiva e rápida – tal qual a Coreia -, podem não se recuperar. Elas, por isso, devem repensar prioridades, analisar dashboards e gerar um plano de ação.
A Pathfind, por exemplo, é uma companhia que oferece soluções em logística. Com seu algoritmo e sua tecnologia, possui a ferramenta de otimização de rota mais amigável do mercado. Busca rentabilizar cada quilometro rodado, aumentando a capacidade de carregamento sem perder de vista a legislação de trânsito – e, neste momento, considerando o contexto único que a pandemia apresenta.

Segundo Wrobleski, as empresas last mile, ou seja, mais próximas do consumidor, estão sofrendo como nunca antes. Os problemas são diversos, e vão de entregas atrasadas a sobrecarga de funcionários. É preciso tecnologia para fazer o básico: entregar mais rápido, ganhar eficiência e reduzir custos.

 

"Aqui na Pathfind estamos encarando essa situação do seguinte ângulo: se a contribuição individual de cada pessoa é fundamental para o sucesso do controle da pandemia, a contribuição da Pathfind é oferecer tecnologia para as empresas de logística ou que dependam da logística para lidarem com o caos."

 


"Se não pensarmos desse modo, se não aproveitarmos o momento para olhar para dentro da empresa e esquecer um pouco o caos, sem entender o que podemos fazer para melhorar e oferecer para o mercado de realmente valioso, vamos quebrar e não há medidas do governo segurem isso", conclui.

 

E a sua empresa? Como vai agir?

 

 

Veja também: