Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Logistica do Futuro 2022

Ecologística: Natura aposta em bicicletas e veículos elétricos

 

Publicado em 20/05/2022

Objetivo da empresa é, ao criar práticas de impacto positivo, tornar o transporte da companhia 100% sustentável; em um ano, a Natura reduziu 9 toneladas na emissão de CO2

Por Redação


Foto: Divulgação

A logística sustentável é uma das opções dentro da estratégia da Natura para atingir a meta de zerar as emissões de carbono até 2030, como parte do Compromisso com a Vida do grupo Natura &Co, ao lado de Avon, The Body Shop e Aesop. Neste processo, um dos desafios da marca é transformar todas as etapas de transporte para torná-las mais sustentáveis, desde o abastecimento de fábricas e centros de distribuição até a entrega de pedidos aos clientes, consultoras de beleza e representantes de vendas.

Uma mudança na entrega dos produtos do e-commerce da capital paulista já trouxe impacto nas operações da empresa, em pouco mais de um ano usando bicicletas e veículos elétricos houve a redução de nove toneladas na emissão de CO2. A operação, que conta com apoio da operadora de transporte MM Delivery, em conjunto com as equipes da Last Mile, é realizada em 25 bairros da cidade de São Paulo.

Para isso, foi criado um posto, na região central da capital paulista, de onde as entregas passaram a ser centralizadas ao chegarem em carros elétricos do centro de distribuição da Natura. O espaço também passou a atuar como central para a concentração de todos os ciclistas contratados pela operadora para a realização das entregas.

Com a substituição dos veículos a combustão, barreiras como trânsito intenso, rodízio veicular, estacionamento ou até mesmo necessidade de trabalho em duplas foram praticamente zeradas. Para a Natura, o projeto deu capilaridade à malha logística de e-commerce na capital e aproximou a companhia de alcançar as metas de redução de carbono. Até 2023, o plano será expandido para mais 18 bairros na cidade de São Paulo.

Esta é a primeira parte do plano que consiste, ainda, em uma revisão completa dos modais de transporte. Nos próximos anos, a ideia é expandir o deslocamento sustentável para modais aéreos, rodoviários, marítimos e rodo-fluviais.

Para Nestor Felpi, diretor de Supply Chain de Natura &Co, a ecologística é o futuro e aqueles que querem gerar impacto positivo, devem aderir ao novo conceito.

“Aqui na Natura já implantamos ações que visam uma mudança no transporte. Desde janeiro de 2021 iniciamos práticas que visam tornar as entregas de produtos do e-commerce 100% sustentável. Queremos um mundo mais verde e esse é o caminho.” – Nestor Felpi, diretor de Supply Chain da Natura &Co.

AÇÕES PARA REDUÇÃO DE EMISSÕES DE CARBONO

A estratégia da Natura relacionada ao clima se conecta à valorização da sociobiodiversidade, à promoção da bioeconomia da floresta e de soluções regenerativas. A empresa é Carbono Neutro desde 2007, o que significa que as emissões da cadeia de valor que não consegue evitar são compensadas por meio de projetos socioambientais que atuam no mercado voluntário de créditos de carbono.

O programa Natura Carbono Neutro mantém três principais eixos de atuação, com mapeamento das emissões em toda a cadeia de valor, busca constante de redução das emissões e neutralização daquelas que não foram evitadas.

Desde a criação do programa, a Natura evitou a emissão de mais de 1,28 milhão de toneladas de carbono através dos projetos de redução de emissões. Adquiriram mais de 4 milhões de créditos de carbono para compensar as emissões residuais através de 47 projetos no Brasil, Chile, Argentina, Peru, Colômbia e México.

Enquanto algumas iniciativas realizam medidas apenas nas emissões próprias de suas instalações, a Natura se atenta e se preocupa em aplicar suas políticas em toda sua cadeia produtiva, desde operações internas – energia utilizada na produção – até nas operações que estão fora da empresa, como transportadoras e produção de matérias-primas.

ADESÃO A FROTAS ELÉTRICAS

A adesão a frotas elétricas é uma realidade que se manifesta quase como que um projeto experimental no Brasil. De acordo com o relatório “Eletromobilidade – Uma das soluções para alcançar a neutralidade de carbono”, elaborado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) e divulgado em março deste ano, o mercado de caminhões elétricos ainda está em fase de consolidação no Brasil. O mesmo levantamento traz dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) sobre o licenciamento de caminhões e ônibus elétricos no país: entre 2021 a 2022, foram apenas 376 veículos licenciados – um número, de acordo com a CNT, “pequeno para o potencial que o Brasil possui e [...] que evidencia o longo trajeto a ser percorrido”.

Isso não quer dizer, no entanto, que as empresas não estejam caminhando rumo a esse cenário. Em reportagem especial produzida pela MundoLogística, empresas como Magalu e Danone descrevem os projetos de eletrificação da frota, enquanto BYD Brasil e Mercedes-Benz destacam os esforços para fazer o recurso ser cada vez mais viável no Brasil.

 

Veja também: