Informe os dados de acesso para entrar na área do assinante.

Tecnologia e Administração: onde a Engenharia de Produção e a Logística convergem

 

Publicado em 19/04/2022

Em um cenário em que os processos logísticos são fundamentais para uma empresa, o engenheiro de produção se destaca como um profissional melhor equipado para tomada de decisões

Por Redação


Foto: Shutterstock

Garantir mercadorias disponíveis de acordo com as demandas dos clientes - e ainda reduzir custos - não é um trabalho simples. O desafio passa por orquestrar atividades como transporte, movimentação, armazenamento, estoque de produtos e insumos. Profissionais responsáveis pela gestão dessas operações respondem pela melhoria dos processos praticados pela empresa para garantir que todo o material produzido esteja disponível no momento em que for solicitado para a venda.

Novas tecnologias, mudanças no comportamento dos consumidores e desafios globais, contudo, vêm provocando transformações no planejamento logístico para que as organizações se destaquem de seus concorrentes. Dependendo do porte da organização, haverá também demandas relacionadas ao desenvolvimento de ferramentas de pesquisa e à logística reversa, relacionada ao aproveitamento do material descartado no ciclo produtivo.

Por todas essas questões, é inegável a importância dos processos logísticos dentro de uma empresa e, nesse cenário, a Engenharia de Produção se destaca. Embora muitas profissões surjam para garantir que todos esses processos estejam alinhados e sejam cumpridos, o engenheiro de produção está melhor equipado para tomada de decisões com o seu olhar voltado para o sistema produtivo de maneira sistêmica, integradora e multidisciplinar.

Para entender a importância desta carreira, basta voltar na história e ver como ela chegou ao Brasil, em meados dos anos 50. Segundo o livro “Na vanguarda da produção e da difusão do conhecimento”, da Fundação Vanzolini, no auge do desenvolvimento industrial, muitas empresas sofriam com a falta de produtividade, processos e qualidade.

Vendo um gargalo de profissionais para atender estas demandas, os professores Carlos Alberto Vanzolini e Ruy Aguiar da Silva Leme, docentes da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) foram aos Estados Unidos estudar sobre a especialidade que formava engenheiros capazes de aplicar e desenvolver técnicas e metodologias que proporcionam eficiência no trabalho e apresentaram à reitoria da USP a Engenharia de Produção como um curso de extensão para engenheiros e, anos depois, uma graduação ao ter incorporada matérias como Logística e Administração Industrial.

Para fazer com que a área fosse conhecida entre os empresários brasileiros, os politécnicos organizaram a Primeira Semana de Engenharia de Produção e apresentaram sobre como ela poderia agregar às empresas e proporcionar um crescimento jamais visto. O sucesso foi tamanho que para atender demandas específicas destas indústrias, em março de 1967, um grupo de engenheiros da USP, liderados pelo professor Ruy Leme, criaram a Fundação Carlos Alberto Vanzolini, instituição privada, sem fins lucrativos e que homenageia o professor catedrático da Escola Politécnica da USP.

Com o objetivo de desenvolver, aplicar e disseminar conhecimentos da Engenharia, em especial a de Produção, no cotidiano de pessoas, empresas, instituições e governos, a Fundação Vanzolini atua em várias frentes. Uma delas, são os cursos de atualização e capacitação para área de logística, com cursos como PCP – Planejamento e Controle de produção : como implementar usando Excel, Gestão Integrada de Estoques, Estratégia em Supply Chain, entre outros.

Outra frente de atuação da Fundação Vanzolini são a entrega de soluções específicas para casos que envolvam a Cadeia de Suprimentos, ou Supply Chain Management.

A aplicação da metodologia que consiste na modelagem de sistemas complexos e no uso de estratégias de solução que se baseiam na teoria de filas, na simulação de probabilística, nas técnicas de programação linear, não linear e programação inteira-mista e no desenvolvimento de heurísticas, entre outras, pode conferir à empresa resultados como a redução do fluxo de materiais desnecessários, melhoria no custo do transporte e armazenagem, além de garantir uma comunicação eficiente entre uma ponta a outra da cadeia produtiva.

Um exemplo de solução aplicada à logística é o Método ABC (Activity Based Costing), que faz o estudo completo e individual dos custos de todas as atividades de uma empresa e permite descobrir onde se encontram os maiores gastos de produção, qual deve ser a divisão correta dos valores de cada etapa e quais são as mudanças necessárias para que os custos sejam reduzidos e os serviços prestados melhorem continuamente.

A base nos conhecimentos inerentes à Engenharia de Produção são o diferencial da Fundação Vanzolini e proporcionam diagnósticos precisos, com resultados consistentes e duradouros. Além disso, a solução sob medida possibilita a transferência de conhecimento e a formação de quem participa do projeto, visando a eficiência na gestão e a constância das boas práticas.

 

Veja também: